Saiba como baixar e bloquear o Clube do Bolinha, o novo app antiLulu

Aplicativo desenvolvido por brasileiros já está disponível para Android e deve chegar à AppStore ainda nesta semana. O programa é uma resposta ao Lulu e permite que homens possam avaliar suas amigas do Facebook de forma anônima, através de notas e hashtags como #Camarão #Bigodinho #VidaLoka e #MariaGasolina.

Image4

Enquanto todas as atenções de mulheres e autoridades públicas do Brasil estavam voltadas ao lançamento do app Tubby, que acabou se revelando uma bem sacada trollagem, desenvolvedores brasileiros concluíam as últimas linhas de código daquele que veio para ser a verdadeira e oficial resposta ao aplicativo criado exclusivamente para mulheres: o Clube do Bolinha.

Veja mais: Tubby, o app proibido que nunca existiu.

Download e instalação

Continuar lendo Saiba como baixar e bloquear o Clube do Bolinha, o novo app antiLulu

Juiz condena internautas ao pagamento de R$ 100 mil de indenização por compartilhar ofensas no Facebook

A 2ª Vara Cível de Piracicaba, SP, condenou duas internautas a pagar R$ 100 mil de indenização por danos morais a um médico veterinário do Canil Municipal da cidade por terem compartilhado na rede social Facebook fotos e ofensas criticando o tratamento dispensado a uma cadela adulta doente e a conduta do servidor público municipal.

O episódio ocorreu no início de 2013, quando uma moradora do Bairro Lago Azul solicitou à Prefeitura cuidados médicos a uma cadela encontrada em um lote em construção. Segundo mensagens publicadas e compartilhadas no Facebook, o médico teria agido com negligência e imprudência no tratamento do animal, o que se seguiu de afirmações que o atingiram em sua reputação pessoal e profissional.

Contrariado com os comentários que reputou ofensivos, o servidor público ingressou, em 02/05/2013, com uma ação de reparação de danos morais contra duas internautas que compartilharam as acusações em suas páginas pessoais do Facebook.

Veja mais: Post publicado pela fanpage Direito dos Animais

Em sua petição, o autor requereu a concessão de medida liminar para determinar às rés que retirassem as ofensas de suas páginas pessoais, o que foi deferido pelo Juiz Marcos Douglas Veloso Balbino da Silva, sob pena de multa diária. Após regular curso do processo e apresentação de defesas, o magistrado sentenciou a ação condenando as rés ao pagamento de R$ 100 mil. Em sua fundamentação, Silva criticou o uso de redes sociais no abuso do direito de liberdade de expressão.

Continuar lendo Juiz condena internautas ao pagamento de R$ 100 mil de indenização por compartilhar ofensas no Facebook

Justiça rejeita pedido de liminar de usuário contra app Lulu

O juiz Henrique Vergueiro Loureiro, da 2ª Vara do Juizado Especial Cível do Foro central da capital paulista rejeitou, no último dia 27 de novembro, pedido de medida liminar feito pelo estudante de Direito Felippo de Almeida Scolari contra a rede social Facebook e o polêmico aplicativo Lulu para exclusão imediata de seu perfil.

Saiba mais: Jovem de SP processa aplicativo Lulu e o Facebook e pede R$ 27 mil

Scolari, que é noivo, ajuizou ação de indenização por danos morais contra a empresa responsável pelo desenvolvimento do aplicativo, Luluvise Incorporation, e contra a empresa Facebook Serviços On Line do Brasil Ltda, alegando que se sentiu ofendido com a exposição não autorizada de sua imagem e com comentários que teriam prejudicado sua vida pessoal. Segundo consta no histórico de tramitação da ação, acessível através deste link, o estudante atribuiu como valor da causa a quantia de R$ 27.120,00.

No mesmo dia de protocolo do processo, que foi distribuído ao 2º Juizado Especial Cível da Capital paulista, o pedido de liminar foi negado pelo juiz responsável pela Vara sob o argumento de que, na fase processual em que se encontra a ação, a intervenção judicial seria desnecessária, porque a remoção do perfil do aplicativo é possível a qualquer momento, bastando acessar o link http://company.onlulu.com/deactivate.

Decisão interlocutória – processo 1012716-43.2013.8.26.0016

Mesmo após manifestação do advogado do requerente, Loureiro manteve sua decisão anterior determinando, agora, que as empresas sejam notificadas para prestarem informações que julguem pertinentes.

Por ora, as redes sociais venceram o primeiro round!

Acompanhe o processo: 1012716-43.2013.8.26.0016