Retirada de ofensa do Facebook depende de indicação do URL

A 1ª Turma Cível do Tribunal de Justiça do Distrito Federal (TJDF) confirmou, no último dia 6 de março, recurso apresentado pelo Facebook suspendendo medida liminar obtida pelo Deputado Distrital Washington Mesquita (PSD-DF) em ação de obrigação de fazer e reparação de danos.

A liminar foi concedida ao parlamentar pela juíza Grace Correa Pereira, da 6ª Vara Cível de Brasília, onde o processo tramita, em menos de 24 horas de sua distribuição. Segundo a decisão, foi determinado ao Facebook e ao responsável pelas ofensas “a suspensão da publicação que imputa ao autor a pecha de homofóbico no site de relacionamentos FACEBOOK, no prazo de 24 horas, sob pena de multa de R$ 200,00 (duzentos reais) por dia de descumprimento da presente decisão.”

No recurso apresentado ao TJDF, a empresa alegou não ser possível acatar a medida liminar por não haver a indicação do URL (endereço eletrônico) em que foram registradas as ofensas, o que inviabilizaria o seu cumprimento pela Rede Social.

Saiba mais:

O processo

Em 3 de setembro de 2012, o Deputado Washington Mesquista (PSD-DF) ajuizou ação de obrigação de fazer com pedido de indenização por danos morais contra usuário do Facebook que o teria ofendido em publicações difamatórias online.

Segundo a juíza da 6ª Vara Cível, o ofensor teria iniciado campanha na internet postando em seu perfil no site de relacionamentos conteúdo com o propósito de denegrir a imagem do Deputado, acusando-o de ser homofóbico. A magistrada relata, ainda, que “as acusações infundadas tiveram início com as divergências sobre a realização da 7ª edição da Parada do Orgulho LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transgêneros) de Taguatinga (…). Informa que a administração de Taguatinga, não concedeu a autorização para a realização da passeata em uma das principais vias da cidade, porém, sugeriu ao movimento a realização da festa em lugares alternativos, como o estacionamento do Ginásio Serejinho e o Taguaparque”.

Ao deferir o pedido liminar, a julgadora entendeu que a matéria publicada no site de relacionamentos revela, em princípio, a imputação ao deputado de conduta homofóbica e que o responsável pelas ofensas, ao atribuir “tal conduta discriminatória ao autor por ato não praticado por ele, mas pela Administração Regional de Taguatinga, que vedou a realização da passeata na Avenida Comercial Norte”, comete “ato precipitado, apto a lesar a imagem e honra do acusado.”

Acolheu, dessa forma, o pedido de antecipação da tutela feito pelo parlamentar para determinar ao Facebook e ao usuário da rede social a suspensão da publicação no prazo de 24 horas, sob pena de multa de R$ 200,00 por dia de descumprimento da decisão.

Recurso ao Tribunal

Intimado da decisão, o Facebook apresentou recurso ao Tribunal de Justiça também com pedido de suspensão imediata da liminar.

Na petição protocolada, segundo dados do processo, a Rede Social afirmou ser impossível cumprir a decisão sem a devida indicação do URL que contém as mensagens ofensivas e, ainda, pediu maior prazo para cumprimento da ordem judicial.

A relatora, juíza convocada Ana Maria Cantarino, concordou com os argumentos da empresa e determinou a suspensão da medida liminar concedida pela 1ª instância. Em seu despacho, a magistrada fundamentou:

(…) o Facebook é um serviço de rede social, no qual são divulgados milhões de vídeos, fotos, propagandas e outros conteúdos diariamente por diversos usuários.

No entanto, diante da impossibilidade de fiscalizar todo o conteúdo inserido no mencionado site, se torna impossível a exclusão do conteúdo em discussão sem que haja a identificação da URL (Localizador de Recursos Universal), que serve para indicar o endereço de uma determinada página.

Com efeito, no que tange à proibição de divulgação do conteúdo imediatamente, verifica-se a impossibilidade de cumprimento da obrigação, ante a não indicação da URL, conforme se observa dos documentos juntados aos autos (fls. 41/47), que apenas apontam a divulgação do conteúdo no site Facebook, mas sem identificar a página específica.

(…)

Em face do exposto, concedo o efeito suspensivo para sobrestar os efeitos da decisão agravada, até o julgamento de mérito do agravo.

A juíza entendeu que, de fato, o Facebook não tem condições técnicas de cumprir a ordem judicial de retirada das publicações ante a ausência de indicação do endereço eletrônico que identifica as ofensas. Daí, segundo a magistrada, acabaria por se ver obrigado a pagar multa diária indevida, o que representaria um risco ao seu patrimônio.

Inconformado, o advogado do deputado distrital recorreu da decisão, e o novo relator do recurso, Desembargador Flavio Rostirola, negou-lhe provimento, mantendo na íntegra a suspensão de liminar concedida pela juíza convocada.

Mais recentemente, no último dia 6 de março, a 1ª Turma Cível do TJDF confirmou, por unanimidade, a decisão da juíza Cantarino e cassou a liminar de primeira instância. Abaixo a ementa do acórdão:

AGI 0024900-61.2012.807.0000

Da decisão, ainda cabe recurso.

A liminar concedida pela juíza Grace Correa Pereira, da 6ª Vara Cível, você encontra aqui.

A decisão da juíza convocada Ana Maria Cantarino, aqui; e o acórdão da 1ª Turma Cível, aqui.

Acompanhe o processo em trâmite na primeira instância neste link aqui e o recurso de agravo apresentado pelo Facebook, neste aqui.

Nota do Blog

Ao contrário do que afirmam os magistrados, URL não é mais traduzido como Localizador de Recurso Universal, mas, sim, Uniforme. É também conhecido, no Brasil, como Localizador Padrão de Recurso.

O equívoco decorre, na verdade, de uma desatualização técnica da nomenclatura computacional, uma vez que, inicialmente, a comunidade internacional conhecida como Internet Engineering Task Force (IEFT) sugeriu o uso do termo Universal Resource Identifier (ou Identificador Universal de Recurso) para padronização da sintaxe de identificação em nomes de objetos na internet (RFC 1630, de 1994). A mudança de nomenclatura deu-se em 1998 (RFC 2396).

Em poucas palavras, é um endereço único de localização de um determinado objeto em rede (texto, imagem, video, som, impressora, scanner etc.).

Deixe seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s